Blog POST

  • Francisco Capelo

Os intelect.uais certos para os Para.Digmas errados




Após o poço sem fundo financeiro da reconstrução europeia (mas que simultaneamente criou um refém geo- político essencial), os Estados Unidos da América decidiram conquistar o mundo por duas vias: as armas e o intelecto.


A parte militar era demasiado fácil, como o nuclear no Japão o provou cabalmente, e a devastação da 2ª guerra mundial ficou felizmente confinada à velhinha Europa.


Ao contrário da ladainha oficial, as baixas dos EUA são peanuts se comparadas às dezenas de milhões de mortes, e isto para pensar só na Rússia.


A mítica batalha de Estalinegrado, por exemplo, cobrou 1 milhão e meio de vidas.


Para que se consiga perceber o nível de crueldade, as mães russas decidiam qual o filho que iria sobreviver, pois o racionamento de alimentos não chegava para toda a família. Quanto à batalha propriamente dita, é sabido que a luta de trincheiras e de casa- a- casa condiciona qualquer exército, por muito numeroso e poderoso que seja. Os bombardeamentos constantes apenas adiavam essa luta. Ao recuar para a relativa segurança de Estalinegrado, os russos incendiaram tudo o que pudesse servir de alimento ao inimigo, e contaram com a preciosa ajuda de um dos mais rigorosos Invernos de que há memória, facilmente chegando aos 30 graus negativos...


Para se ter uma noção da dificuldade que a temperatura colocava, conta-se que os alemães ao fazerem as necessidades fisiológicas ao ar livre, congelavam em menos de 30 segundos.


Mas voltando à armadilha: os Estados Unidos precisavam de tomar de assalto as mentes dos intelectuais, por todo o mundo – até para contrariar a atracção destes pela teoria do “homem novo” do comunismo, algo que tinha alastrado como um incêndio até ao próprio território americano, como o prova a ”caça às bruxas” do MacCartismo no cinema nos anos 50. Neste contexto, o filme de Woody Allen, “O testa de ferro” é apenas um grão de areia, e a controversa homenagem da Academia a Nicholas Ray no fim da sua vida não deixa dúvidas sobre o quão fracturante foi este assunto. Que eu desse conta, apenas Warren Beaty e mais alguns bons samaritanos fizeram o favor de bater palmas… mais de 4 décadas passadas, a memória não abandonou a comunidade cinematográfica americana, perante um dos poucos cineastas que ousaram quebrar o silêncio e colaborar com essa infame comissão pretensamente anti- comunista…


Falando de novo da armadilha perfeita: a fórmula é antiga e simples: era necessário criar, não só um novo – e falso – paradigma de pensamento, em cada área do conhecimento humano, como também produzir e apoiar um intelectual- bandeira por cada uma destas matérias, alguém cuja personalidade fosse devidamente calibrada e preparada para agradar às massas e suficientemente humana para que as suas opiniões fossem aceites sem contestação. Vou falar por enquanto de quatro destas áreas, apenas: Linguística, Religião, Psicologia e Arte moderna.


Na Linguística criou-se o mito do intelectual esquerdista, crítico das administrações americanas. Noam Chomsky dedica-se de alma e coração aos aspectos formais – que não os estruturantes e de conteúdo – da Linguística, ajudando a atirar ainda mais poeira para os olhos das pessoas, que são paralisadas pelo medo do ridículo, da ignorância própria e, sobretudo, da complexidade intelectual destes assuntos.


Na Religião, os americanos ajudaram os seus amigos lá da “Terra Santa”, ao compor um paradigma religioso e histórico que é uma grande, uma enorme impostura: o judaísmo enquanto raiz do cristianismo e uma diferença estrutural e teórica em relação ao Islão que pura e simplesmente não existe...


Quanto à ideia de que o Médio Oriente é a zona mais antiga e a mais complexa do ponto de vista religioso, ela apenas parece verdadeira em alguns manuais de História do ensino no Ocidente. Karl Heinz- Ohlig contesta abertamente esta ideia, defendendo a validade de um “novo” paradigma do divino: em termos religiosos, a Ásia meridional é (e não o Médio Oriente) a região mais complexa do mundo, pátria das antigas religiões do Budismo, hinduísmo, confucionismo, tauismo e xintoísmo, bem como de formas de há muito estabelecidas e localmente adaptadas do islamismo e cristianismo. Aqui entre nós que ninguém nos ouve, ignorar o Xamanismo dá um grande jeito a quem quer instrumentalizar politicamente a religião…


Chegando à Psicologia, Ben Webster demonstrou claramente a existência de um lobbie judaico fortíssimo que se formou em certos núcleos universitários na Europa e nos Estados Unidos, para forçar um tipo de pensamento único, agressivo e castrador, que renegasse vários contributos essenciais dos discípulos mais criativos de Freud: Adler, Jung, e muitos eteceteras.


E, para compor o ramalhete, falemos agora de Arte moderna. Era essencial combater o bafiento realismo russo, e em plena guerra fria, tomou-se a decisão. Para conseguir girar a bússola cultural de Paris (onde na primeira metade do século XX eclodiram os mais variados, representativos e revolucionários movimentos artísticos, desde o Dadaísmo, Cubismo ou Surrealismo) em direcção aos Estados Unidos, era preciso um novo tipo de herói.


Ora, esse novo James Dean pôs-se mesmo a jeito: Jackson Pollock era violento, explosivo, tinha levado o dripping (inventado, ao que consta, por Max Ernst) a novos patamares criativos, sendo a escolha óbvia para o “papel principal”, até porque dava a nítida sensação de ir morrer cedo e, como dizia Warhol, “morrer jovem com um cadáver bonito” é sempre uma grande vantagem… A morte tem o condão do Rei Midas: desde Van Gogh que é assim.


Um artigo na revista Life de 1949, em que surgia a pergunta retórica: “É este homem o maior pintor americano vivo?”, foi o bastante para rodar esse ponteiro dessa bússola cultural para o sítio certo. Nova Iorque ganhava aos pontos a uma Europa já cansada de si mesma, adquirindo de um modo aparentemente “limpo” uma legitimidade que desde então nunca foi contestada, sem sequer precisar de subir ao ringue e mandar ou levar uns sopapos contra ninguém: digamos que foi uma luta ganha por falta de comparência do adversário…


Concluindo: apostando nas pessoas certas, para representarem os paradigmas de pensamento errados, “nada se perde, tudo se transforma”…


Quem diria que os nossos amigos americanos gostavam tanto de Lavoisier?


E ESTA, HEIN??

0 visualização
  • Facebook Social Icon
  • Pinterest Social Icon
  • Twitter Social Icon
  • YouTube Social  Icon
  • LinkedIn Social Icon
  • Tumblr Social Icon
Francisc Capelo - Art Studio - Cascais