Escolho Fotos que me Inspirem

Fotógrafo - Pede AQUI para retirar a Foto do Artigo

Voltar ao BLOG
  • Francisco Capelo

Templo da Poesia ausente

Atualizado: Abr 20


(dedicado aos poetas românticos ingleses - em especial a Percy Shelley)



. PABLO PICASSO:


"Ao contrário da música, não existem na pintura meninos prodígio. Aquilo que se crê ser uma genialidade precoce é a genialidade da infância, que desaparece com o avançar da idade"



. ANTONI TÀPIES:


"O aprofundar da realidade pelo artista requer um estado de angústia psíquica, de tensão espiritual que é verdadeiramente comparável ao do santo, profeta ou feiticeiro da tribo"



. Leonardo DA VINCI:


"Se tu simplesmente atirares uma esponja com várias cores a uma parede, isso dá-te uma mancha onde vês uma paisagem e aí podes imaginar qualquer coisa: animais, cabeças humanas, batalhas, , nuvens e florestas.."


(para quem acha que Da Vinci era um figurativo.... ok! - continuem a "pensar" assim, ke vaum longe!!! ohh balha-me deuze-ze.. ;-)



Dizia o genial Herman José num sketch bem apanhado, aqui há uns anitos quando ainda estava no activo, digamos assim, e no início de uma “reunião” de funcionários-do-riso-desse-Templo-da-estranheza-chamado-Circo:



“- Colegas Amigos PALHAÇOS!”



E aqui neste assunto de que vos vou falar agora estamos na mesma situação! Também eu posso dizer exactamente o mesmo que Herman disse, para iniciar as hostilidades..


– bom, passada esta fase da galhofa e/ ou pilhéria - eu passo a e-x-p-i-l-i-c-a-r o que aqui me trouxe:



. Sr ELEFANTE


Diria qualquer cidadão, distraído ou não, que em cada esquina deste país há, por qualquer misteriosa razão, pelo menos um "Elefante". Em Oeiras gostamos mesmo muito de bater os recordes dos outros e temos, não apenas um - mas dois desses simpáticos e bastante visíveis elefantes-em-plena-loja-de-porcelanas, a impedir a passagem. Há quem use a expressão “Elefante branco” – pessoalmente prefiro apenas o conceito puro: Elefante. Já vão ver porquê, mais à frente. E todos sabem quais são e todos fingem não ver: Satu e Parque dos Poetas.


Ninguém vai assumir tal coisa, ninguém vai falar o que realmente pensa, ninguém tem pressa de debater, e todos querem varrer para baixo do tapete tal assunto apesar do enoooorme espaço que ocuparia debaixo desse mesmo tapete - e preferem de longe desistir de tentar remodelar aquilo. Estou a falar do sentimento que eu noto por aí - chamem-me hiper- sensível, que até gosto do conceito: um artista visual tem sempre as costas muuuito largas..


- O quê? Está mesmo ali? E eu com isso? Deixa estar que está lá muito bem. É bom saber que sequer existe. – Passo ao lado. Não é comigo.



Quer isto dizer que devem ser pura e simplesmente destruídos? Implosão simples? NÃO. Não quer dizer nada disso. Talvez o Satu tenha mesmo de ser implodido daqui a uma década sim, mas devido à erosão da chuva e das alterações bruscas de temperatura que parecem atacar bastante a estrutura, sobretudo isto – é provavelmente uma questão de tempo. Até lá, como diz o povo com eterna razão: "enquanto o pau vai e vem – folgam as costas" - e folga também a consciência de que o problema sequer existe. Por isso - quem quiser escrever a "Nova Teoria do Esquecimento", por mim esteja à vontade - e se for preciso até escrevo o prefácio pro bono. Editoras de auto- ajuda e de ajuda aos autores perdidos neste Tempo: atenção a este novo talento literário! Há que escrever depressa três elogios na contracapa, feitos com brio! Vá lá, que se faz tarde e o rapaz é mesmo bom rapaz e vem de escolas muuuito recomendáveis - vejam lá isso, hein? Irmão do Costa do Castelo que-afinal-nem-manda-nada-nisto-tudo que-parece-que-é-jornalista-e-também-crítico-literário convida aí os teus amigos jornalistas apressaaados pra essa cena, tá kool?? Vá lá ke o lucro tem de dar para toooodoooos!!! Yá?? Vendam aí o Mein Kampf e esqueçam-se do tipo das barbas que era too much left wing!! Aiai, parece que nem nas univs os políticos-profs dizem la veritáa tooda!



- Mas o Parque dos Poetas é uma Outra coisa... é realmente uma boa ideia e sempre foi uma boa ideia e sempre será uma boa ideia – mas que foi implementada de uma forma com a qual não concordo em vários aspectos essenciais - que vou passar a escalpelizar.



Aprendamos com os nossos erros e com o nosso professor- Elefante. O elefante parece mesmo um elefante – mas é um pedagogo profundo e autêntico (não confundir com demagogo) - e dos melhores que vamos encontrar na vida. Os antropólogos – que continuam a ser de looonge os mais sérios entre os vários cientistas sociais – entendem isto às mil- maravilhas, vão concordar e assinar por baixo, estou convencido. Expedições de décadas à Amazónia ou às Galápagos, contacto com a natureza, respeito a sério pelos animais "não- racionais”… dizer-lhes que um Elefante nos vai ensinar bastantes novas informações e sentimentos anteriormente invisíveis é uma coisa Óbvia, para eles. Nada de novo, aqui. É como convencer o astronauta que ir à Lua pode até não ser uma má ideia! Não tenho de o fazer talvez porque ele já está com a sua fatiota catita dentro do foguetão a sentir uns 12 G no corpinho, a caminho da Atmosfera.. por vezes o timing é mesmo tudo - não vos parece? E até na Terra isto acontece, vejam lá! Timing rima com marketing - mas ninguém dirá que são aparentados - no máximo parentes muuuuuito afastados!! Ahh, que cabeça esta - que confunde mesmo Tudo!


Vou falar-vos então dos vários erros que foram cometidos neste Parque dos Poetas. Primeira pergunta: O que torna Barcelona a cidade mais espectacular do mundo? – em termos de arquitectura e diversidade de opções culturais? Podemos falar da remodelação total da cidade após os Jogos Olímpicos (1992 ou 1998, creio) – sim, ajudou bastante. Mas… é a cidade dessa alma tão especial chamada Antoni Gaudí! É a cidade- Alma da Catalunha, que continua a martelar os ouvidos e olhos dos poderes adormecidos dizendo que TEM de ser Independente e é já! O ninho de artistas- vespa tão fundamentais como Joan Miró e Antoni Tàpies! Aqui não brincam às casinhas dos artistas- da- moda- que- pintam- coisas- que- até- se- vê- bem- à- distância- vejam- lá e à cultura-que-vem-de-fora-e-é-genial-só-porque-vem-de-fora! Ahhh, que Já sinto várias orelhas a arder... mon ami le Diable - mete aí mais umas achas nessa fogueira, que esses petits diables bem merecem!



Alerto os mais distraídos: É impossível criar magia poética onde a mistura de arquitectura e artes plásticas esteja ausente. Não existe tal coisa, e não vai acontecer. Outro exemplo: o parque da artista Niki de Saint Phalle. É lindo, é inovador, é surpreendente a cada esquina. Porquê? Mais uma vez – porque essa fusão de objectos-de-arte-no-espaço.. acontece! Está lá – é verificável e uma criança sente e o seu avô também - porque qualquer pessoa Sente. Ou as obras de Dubuffet que fundem pintura com escultura. Ou as de alguns artistas ligados à Arte Bruta e que levaram anos e anos e anos a construir e que também são escultura-que-se-tornaram-arquitectura.


Apresentem-me um artista que faça a FUSÃO de duas ou mais categorias artísticas - e eu apresento-lhes um tipo mesmo muito fixe que pode construir algo de único. Mas se esse tipo fixe não receber um telefonema de outro tipo fixe a pedir-lhe que faça alguma coisa fixe para outros muitos tipos fixes verem isso- que- é- fixe à sua frente e compreenderem que é Mesmo mesmo fixe... Nada vai surgir de fixe!!


De Lucio Fontana a Yves Klein, passando por Anselm Kiefer e Joan Brossa, de Kurt Schwizers a Manolo Millares.. - os tipos-fixes-são-nossos-amigos, MALTA! Tudo pró recreio, que o teacher não está a ver e o contínuo deixa o PPL gritar no corredor quando vamos prá bola no intervalo!!


Gaudí passou uma grande parte da sua vida a construir a Sagrada Família. Penso que foram 40 anos. Eu próprio trabalho em arte há 30 anos. Ah pois é, meus amigos-do-trabalho-das-9-às-5… a beleza da Grande Arte leva tempo e dá trabalho e É efectivamente - um TRABALHO! Os locais especiais são especiais porque… têm lá coisas Especiais feitas por artistas especiais!


As simple as that.



Nós, cidadãos habitantes na Demo.cracia e no local espaço- tempo intitulado Ó.eiras, temos uma autêntica e enoooooorme MINA de OURO a céu aberto. Mas se esta sensibilidade Nunca tiver existido ou se se tiver desvanecido pouco a pouco à medida que a altura corporal ia crescendo um pouquito - não vamos ver LÁ NADA!


Deixem os artistas fazer o seu TRABALHO. Querem sonhar? Precisam de rentabilizar estes espaços para aguentar as finanças na Câmara? - Deixem o artista fazer o seu TRABALHO.



"- Deixem-me trabalhar!!" - Remember..?



Oeiras poderia perfeitissimamente ser a Barcelona portuguesa. Tem espaço(s) para isso, tem qualidade de vida para isso, tem um Presidente com visão para isso (e muito mais) e SÓ tinha a ganhar e muito com isso. Querem ressuscitar o Turismo pós- pandemia? Mesmo?? Então tomem as decisões para ISSO acontecer - que sejam fundamentadas em coisas concretas e num projecto que seja belo- em- si- mesmo- e- belo- também- no- espaço- e- na- escala.


Porque..


. Se for apenas estético - não funciona.

. Se for apenas artístico - não funcionará também.

. Se for baseado em pareceres apenas técnicos idem aspas aspas.



Não se pode inserir um "conceito abstracto de meditação" e pensar que todos o vão entender – só porque colocámos esse conceito nesse espaço e só porque Queremos à viva força que o conceito funcione! Querem mesmo que ele funcione? Façam então a vossa cabeça funcionar Antes de o aplicarem na prática sem pensar Antes em Todos os detalhes e todas as suas vantagens e desvantagens! Confiar na genialidade da ideia e ter paixão cega por ela só porque é nossa ou a adoramos em si mesma - e encomendar a obra de arte do estilo errado ao artista certo que é um excelente artista mas que é uma má escolha para ali – Nunca na vida vai funcionar! Era um desastre anunciado!


Provavelmente muitos o pensaram mas ninguém se lembrou de o dizer! Esquecimentos que acontecem aos melhores e aos mais bem- intencionados, vejam lá!! "- Eu queria ter avisado,, também senti isso.. - mas era demasiado tarde - estava feito!"


- Ahh, sorte maldita! Ah, destino atroz.. Se calhar era demasiado incómodo, e o sonhador que sonhava o eterno sonho da Poesia dos poucos-poetas-que-se-tornaram-mitos-no-país-da-calma-distraída tinha de ser alimentado e tinha de ser acarinhado. Mas só depois dos tipos e das tipas que escreviam as coisas tãaaao estranhas - estarem bem mortinhos da silva!! Vejam lá essa cena, que isso não pode mesmo faltar, hã?? Se puderem chamem aí o Polansky para enfiar o espeto ao residente do caixão! Isso é Essencial ao mitificar das pessoas- que- faziam- essa- poesia- tão- especial- que- ninguém a entendia no seu tempo de vida! Aprendam com os consiglieri do nosso amigo em comum Gauguin! Hã? Oh valha-me Deuzeze, que amadorismo nestas almas calmas..


. É isto difícil de entender? Não.

. É possível e desejável aplicar uma outra coisa? Quase de certeza.

. E há algumas esculturas ali de muita qualidade, mesmo? Há, claro - incluindo a da foto que acompanha este artigo, que é genuinamente bela e inspiradora. Grande escultura, sem dúvida - faz sonhar o artista que sou. Não conheço o autor mas aplaudo, ideia visual mesmo muito interessante.



E agora perguntam:


“- Ok, essa tua argumentação parece fazer algum sentido até agora… apesar de seres um tipo um bocado radical como qualquer artista é - Mas enfim, afinal.. qual é o erro de que falas??”


Simples de explicar, e está a ser cometido por todo o lado – tanto em Portugal como noutro país qualquer, aí não somos nem melhores nem piores e quem decide sobre escultura em locais públicos normalmente nada entende da área criativa - aqui ou na China ou nos States - tudo igual. Querem provar que estou errado? - façam favor. A melhor crítica até a coloco aqui nesta parte do texto, fica aberto o convite:


"


"


Por amor do vosso Deus - Olhem com olhos de Ver para a História da Arte. O que vemos lá? - O conceito de escultura transformou-se completamente. Desculpem lá puristas do mármore e afins - mas Não é possível continuar a aplicar a mesma fórmula batida. Decisores políticos – Esqueçam as esculturas de pedra e de ferro, apaguem-nas da memória e reiniciem o computador. Se for preciso formatem a coisa e substituam por um Pentium 7 e meio que vai dar na boa. Lamento mas o seu tempo passou. Elas baseiam-se quase sempre na escola do Realismo. Ou seja - representação figurativa pura e dura. E que não vai sair dali - é aquilo que está à vista. Em inglês diz-se WYSIWYG - What you see is what you get, vejam aí a definição na Wikipedia, que se percebe à primeira.


O rosto do poeta é aquele daquela foto, logo a escultura baseia-se nessa imagem. Ponto final e venha a próxima encomenda - peço antecipadamente desculpa à sensibilidade do escultor, que é muita e muito especial e ao seu trabalho artesanal de pormenor, cuja técnica é e sempre será melhor do que a minha - a milhas e léguas e anos- luz de distância.


. Existem muitas "piruetas" de estilo que o escultor pode usar para fugir um pouco ao figurativo? Sim.

. Existem muitas novas ideias que podem ser usadas neste género de trabalho? Algumas, nem tantas assim como se pensa.

. É um estilo de escultura limitado pelo próprio material? Ah, sem dúvida alguma!



Temos de entender de uma vez por todas que... Estimular o pensamento, fazer sonhar, permitir imaginação.. é uma OUTRA escultura, meus amigos!! Não é ESTE conceito de escultura! – Este é o paradigma estético/ artístico que cristalizou e/ ou congelou e que a partir do início da revolução da arte moderna chamado Cubismo e Abstracção tinha os dias contados e estava condenado - repito: está absoluta e completamente abandonado e ultrapassado.


Continuar com a veneração infantil ao modelo estético Greco- Romano- Renascentista... para quêeeee, não me dizem? Acordem para a vida! Putos das escolas que fazem fila à frente da Gioconda - Deixem os profs a falar sozinhos! As obras de arte "célebres" e os artistas- que- foram- mitificados- ainda- em- vida- ou- talvez- não- vejam- lá- os- sortudos- que são - são eles os primeiros a combater esse ambiente bafiento! - Desde Picasso a Tàpies ou de Van Gogh a Cézanne... desçam à Terra que os artistas já lá estão nessa terra há muuuuito tempo! Incrível, estes pré- conceitos..


As pessoas perante Este tipo de escultura - afastam-se, têm medo da presença e do material, emocionalmente desligam e vão dar uma curva para outro lado. E fazem elas muito bem - porque estes são objectos sem Vida que intimidam. É isto o que acontece, na prática! Querem falar de arte que não evoluiu?


- Don´t look no further, my friends!!



Mas quem decidiu o que colocar ali pensava que fazia bem e continua bastante in love pela sua própria ideia (ou a de outros) que parece continuar muuuito avançada e depois não entende porque Diabo as pessoas que lá passam olham dois segundos e passam à frente e nunca mais na sua vida lá metem os pés de novo!


Onde está por exemplo a ligação ao desenvolvimento da criatividade das crianças? Que podia ser estimulada unindo as ideias de vários movimentos e autores essenciais do Século XX de forma facílima - e cujos custos de instalação seriam tão baixos que até o arquitecto paisagista os consideraria Ridículos e se ia rir na nossa cara? As crianças iriam A-D-O-R-A-R e iriam A-P-R-E-N-D-E-R - e, ao brincar com objectos no espaço a pedagogia dar-se-ia sem constrangimentos nem limitações sociais de forma 100% directa e pura. Onde está a reformulação de uma linha horizontal da "força da gravidade" - presente na Arte Africana e Arte Egípcia e Civilização Maia e em outras culturas influenciadas pelo animismo?, e que iria ligar-nos à Terra de novo?


- Nada. Nem rasto. Dimensão Pedagogia visual e dimensão Comunicação Autêntica e inclusive interacção física do público com a própria escultura, porque não - Ausência Absoluta.


Isto é o que o nosso professor Elefante nos está a tentar dizer – mas os alunos deste tão especial ser estão bastante ausentes, confesso, vejo-os nas carteiras atrás de mim sonhando em plena aula, e não captam por isso os seus sinais/ símbolos e a sua sabedoria. Perda de tempo e de paciência do Sr Elefante! (branco ou verde ou às riscas azuis)



Algumas perguntitas que eu anotei aqui, da aula anterior do nosso mútuo Stôr Elefante:


. Sabem o que são as Assemblages de Picasso?

. Sabem que ideia está na base dos ready- made de Duchamp?

. Sabem o que são Objects- trouvées?

. Sabem quem fundou a famosa “plástica social”?

. Sabem como aplicar as ideias do Minimalismo na realidade concreta?

. Sabem o que são metáforas visuais?

. Sabem como adaptar a Poesia Visual à escultura?

. Conhecem o trabalho escultórico de Louise Bourgeois e Antoni Tàpies e Jean Tingueley e Nevelson e Moore e Calder e outros que tais?



- Ou anda tudo a ver passar a banda e a dar atenção às máquinas-e-macacos-e-escaravelhos-que-afinal-também-fazem-arte-e-assim-já-o-artista-vai-à-sua-vida-sem-precisarmos-de-lhe-pagar?? Desculpem lá lembrar isto, mas... o prof Alifante é mesmo um bom professor! Vocês é que estavam nas Discos da moda a dançar e encantar garinas e se esqueceram de ler "Aqueles" livros que estavam a apanhar pó nas prateleiras dos pais dos outros e que afinal serviam mesmo para alguma coisa!


- E, contra alunos destes - Batatas! :-)



Quem decide qual o escultor que será escolhido… tem de saber que tipo de escultura ele faz! É só isto!


E pensar:


. Será esse tipo de escultura o mais adequado ao espaço e ao conceito?

. A mensagem que se quer transmitir – será ela mesmo entendida pelo público?

. O estilo do artista é figurativo ou abstracto ou surrealista ou expressionista ou conceptual ou o raio que o parta?



Eu vou ser muito directo e muito verdadeiro, e não me vou pôr com rodeios parvos que muita gente gosta de colocar à frente da outra gente só para os fazer perder tempo precioso: mais representações mais ao menos realistas dos rostos de poetas levam a um beco sem saída emocional. Fujam disso!! Fujam! O material é frio e afasta, o tipo de representação realista em escultura está obsoleto desde 1910 (façam as contas - dez anos mais um SÉCULO em cima, vejam lá), as pessoas Não entendem a ligação do-objecto-à-Poesia – e não tem nada a ver com a qualidade técnica do escultor, pois muitas vezes esta qualidade é verdadeiramente gigantesca e evidente; mas este tipo de obras produz um vazio emocional brutal e preocupante e que faz chorar até as pedras da calçada.



E agora, claro - vão dizer-me:


"- Mas tu queres aplicar conceitos complexos e visualmente agressivos que só os artistas contemporâneos e críticos de arte pseudo- intelectuais gostam e apoiam?? Mas estarás Louco e esqueceste de avisar??"



Bom… Não tem de ser assim! As instalações de objectos actuais têm esse efeito e provocam essa repulsa no espectador - desde Joseph Beuys a Christian Boltansky, passando pelos poucos projectos mais complexos de Duchamp e performances da Abramovic?


- Nada contra tal ideia - é um facto! Em que sítio é que eu assino nesse papel- que- tenho- a- caneta- já- aqui- prontinha?


Mas então.. o estilo tem de ser depurado. E adaptado. E ajustado. Para que a pedagogia e a comunicação e a sensibilidade se possa dar facilmente e Sem esse factor. Esse é o trabalho do artista, não é outro – é ESSE! É o artista que tem de se adaptar- ao- objectivo- do- projecto e não adaptar o espaço-ao-estilo-do-artista! Está tudo posto ao contrário! Incrível desatenção! Falta de cultura visual e de visão Gritantes! E os artistas que se recusam a adaptar o seu estilo - desculpem lá, mas estão completamente Errados! Algumas das obras genuinamente criativas surgem exactamente de encomendas - porque isso nos dá uma Estrutura onde aplicamos depois o nosso estilo - e Isso não belisca em nada a originalidade e individualidade do artista.



Mas... não há aspectos positivos no Parque dos Poetas, afinal?? Sim, há, e são vários e são bem relevantes.


. Por exemplo - a homenagem aos poetas portugueses que faltava há décadas e da qual Todos fugiam como o Diabo da cruz - Sr Isaltino Morais- chapeau!

. Os arranjos florais estão muito bem no Parque dos Poetas? Estão sim, absolutamente impecáveis em diversidade e sentido estético.

. O espaço é agradável? Também, mesmo muito agradável.


Mas no entanto a dimensão é tão esmagadora que é de certeza necessário um batalhão de jardineiros para manter aquilo – imaginem os custos! Existe uma coisita discreta que é aplicável em Arte chamada Escala. O impacto de uma obra de arte tem muito a ver com a escala a que está - em relação às dimensões do corpo humano! E os artistas mais apressados - para ser diplomata e simpático - usam e sobretudo ABUSAM dessa mesma escala. O Parque dos Poetas parece que segue por esta via - e não devia.. - e entre uma instalação do artista- vedeta Christo ou uma escultura interminável de Richard Serra ou as Lands artes deste mundo e este Parque - digam-me lá, em termos de escala - qual é afinal a diferença.. pelo menos o Rauschenberg quando fazia quilómetros e mais quilómetros de pintura - Mantinha Realmente a QUALIDADE!! Se quiserem tenho aqui uma mala cheiinha de barretes, é só experimentar pra ver se servem e é oferta da casa!!



( Este é um aparte para artista ler - passa ao parágrafo seguinte: Neste particular, para alguns artistas parece que só a dimensão conta! Querem copiar à descarada a Factory de Warhol e a mentalidade muuuuuito "artística" dele? - Estejam à vontade! É dinheiro em caixa - boa ideia. Ponham aí a arte numa gaveta e em frente! Siga pra Bingo! )



Descendo de novo à realidade e falando de novo do nosso amigo Elefante: No Verão está demasiado calor porque não há sombras- porque- não- existem- árvores- e- no- Inverno- demasiado- frio- e- está- às moscas – como está às moscas no Verão – problema igual. Queriam uma casa de banho? Bem, chamar casa de banho "àquilo".. Querem beber um café? Tivessem bebido antes.